quarta-feira, 8 de novembro de 2006

Trem de ida

Sonhar que um dia eu poderia não existir
E se existisse seria de outra forma
Eu poderia correr, aprender e sorrir
Poderia estar em seus bracos agora.

Se sonhasse fosse existir
A realidade não permitiria
Pois o seu beijo, seu jeito de rir
Seria uma espécie de ilusão vivida.

Havia lugares que nós estavamos por ir
São lugares em que hoje grito por socorro
Percorro pela minha casa, na lama da minha vida
Minha alma jaz soterrada num monte de escombro.

Agora não sei mais se te quero
Perdi meu tempo nesse trem de ida
Quero esquecer as coisas que o vento levou.

Vou agora encontrar meu espaço no mundo
Recuperar a ausência achada que vivia
Meu tempo todo foi amar que nunca mais me amou.


Gustavo Gonçalves