domingo, 30 de abril de 2017

Projetor de cinema: novo projeto!

Semanas atrás investi uma certa quantia em películas de filme 35mm utilizadas em projeção de cinema. Comprei o filme Jogos Mortais 2, mas, como a vendedora perdeu um dos rolos do filme, ela mandou dois trailers no lugar do rolo faltante.

O objetivo era ter "matéria prima" para a construção de um projetor de cinema caseiro e cuja concepção (no papel) já está pronta.

Andei estudando sobre o assunto e aqui vai algumas curiosidades: a primeira parte da película não tem imagem, só a trilha de som. A trilha de som não é sincronizada com o frame da imagem, de forma que a fala está a quase 1m de distância do frame onde o personagem faz a fala. Isto ocorre por causa do projetor, a unidade de reprodução do som não está na mesma posição que o frame que está sendo exibido na tela do cinema.

Outra curiosidade: a película tem duas trilhas de som, uma é analógica e a outra é digital. A trilha digital é como se fossem pequenos QR Code com o logotipo da Dolby no centro do código e estes códigos ficam entre os buraquinhos da película.

Embora o filme não começa com imagem, não significa que não tenha coisas escritas. Nesta primeira parte da película estão anotações sobre o número do rolo, nome do filme, tipo de projeção (flat, por exemplo), data de produção, etc. Tem até uma foto que a Kodak coloca como "imagem de teste". Saca só:




Conforme eu for evoluindo neste projeto vou colocar aqui mais informações. Abs!

domingo, 23 de abril de 2017

Ubatuba

Meu último dia em Ubatuba foi marcado por uma chuva que caiu logo de manhã. Enquanto o plano inicial era ficar na praia, resolvi dar uma volta no centro da cidade. O trânsito estava parado e o jeito foi fazer o passeio a pé, o que valeu a pena.

A maioria dos turistas foram embora logo de manhã, obviamente por causa da chuva. Resolvi ficar porque gosto de tranquilidade.


Itaguá


Pista de skate (milagrosamente vazia)




Muro pichado


Porta


Portão de madeira do Ateneu Ubatubense


Fusquinha vermelho posando pra foto



Antigo casarão


Este antigo palacete pertenceu a um comerciante de café. Segundo uma placa, o dono da propriedade a abandonou, pois foi vender café em Santos.



Vista de um mirante perto do mercado de peixes. Na foto se vê a praia de Itaguá, que não é boa para nadar, só para atracar embarcações.



Outra vista do mirante.


Raízes de uma árvore, que gostei.


Este restaurante estava completamente vazio e oferecia pratos com até 30% de desconto no preço do cardápio.



Peguei muito congestionamento na volta, entre Ubatuba e Caraguatatuba. Em Caraguatatuba tinha esta árvore à beira do mar, que estava sob uma iluminação muito boa.


Impossível ir ou voltar de Ubatuba sem dr um pulo no Vaca Preta.



domingo, 2 de abril de 2017

Fotografia 360° - Observatório Unicamp

Tirar fotografia em 360 graus demanda uma certa destreza por parte do profissional em termos de saber fazer enquadramento da imagem com a câmera e utilizar o tripé em seu favor, mas também não é nenhuma cirurgia no cérebro.

Clique com o botão direito do mouse e selecione a opção de abrir a imagem em uma nova janela


Pelo fato da câmera capturar apenas uma fração do horizonte, você precisa tirar várias fotos a fim de obter a visão em 360 graus. No caso da foto acima, tirada no Observatório a Olho Nu da Unicamp, montei o tripé em cima de uma estrutura, fiz uma primeira foto e, antes de girar a câmera para a direita tentei memorizar uma referência na cena que combinasse com o lado direito da foto dentro do visor.

Estas fotos foram tiradas em novembro de 2004 e ficaram alinhadas certinho, grudadas em conjunto com apenas fita crepe. Repare que a imagem "sobe" como que os degraus de uma escadinha. Este efeito é decorrente do fuso do eixo giratório do tripé.

Foi somente hoje que decidi escanear as fotos e juntar elas no photoshop; infelizmente minha impressora é uma droga e algumas das fotos (sobretudo as que estão um pouco mais escuras), apareceram com manchas brancas - estas manchas, na verdade, não existem na foto original, mas também não sei porque não consegui me livrar delas).

Me lembrei agora: quando tirei essas fotos, fui fazendo a fotometria de acordo com a luminosidade de cada posição. Por este motivo uma foto é tão diferente da outra, pois a luz direta do sol engana o fotômetro (aliás, quando fotografei o sol utilizei a fotometria da foto anterior). Para que não haja este efeito, faça a fotometria de uma posição "menos iluminada" e utilize essa mesma fotometria para todas as outras fotos.

Esta experiência "custou" 7 fotografias no total, todas tiradas em filme e ampliadas em papel Kodak que saudade disso =)