segunda-feira, 28 de abril de 2014

Enquanto acidentes e assédio sexual ocorrem, Metrô de SP quer vender canecas, bolsas e chinelos

Não sei quem é o diretor de marketing do Metrô de SP, ou quais são as pessoas responsáveis por suas campanhas, simplesmente penso que esta pessoa já coleciona todos os motivos para pedir demissão.

O Metrô de SP ainda não pediu desculpas pela campanha desastrosa vinculada nas rádios no mês passado. Agora, e numa tentativa de imitar o marketing estrangeiro, a novidade é que o Metrô SP vai vender canecas, bonés, camisetas.... trem funcionando que é bom: nada!




Não pense você que o Metrô de SP está preocupado em destinar os lucros das vendas desses apetrechos na manutenção dos trens. Segundo o editorial Globo, o dinheiro “ obtido com a venda da licença da marca, segundo a assessoria do Metrô, será investido na operação e administração da empresa”, em outras palavras, vai pro bolso da administração.


Loja para inglês ver

Esse tipo de marketing é muito comum nas grandes metrópoles pelo mundo, como em Nova York e Londres. No entanto, os metros nova-iorquino e londrino não são gerenciados por vampiros da coisa pública, menos ainda se arrebentam por falta de manutenção.

Portanto, lá fora, esse tipo de campanha complementa o marketing da cidade, como ponto turístico. Quem visita essas cidades encontra motivação para adquirir este tipo de coisa. Ações desse tipo são quase exclusivamente voltadas a um público estrangeiro ou turístico.


Já no Brasil...

Fico me perguntando quando que os turistas estrangeiros vão ter a oportunidade de visitar esta loja “maravilhosa”, haja vista que o Metrô de SP sequer construiu uma linha que vá do centro paulistano até o Itaquerão. Ao que parece, o turista vai ter que andar de taxi para assistir os jogos. Daí o motivo desta campanha ser mais um fiasco medíocre, do Metrô de SP, e também do governo Geraldo Alckmin.


Mulher fica com dedo preso na porta. CTPM diz: "não podemos fazer nada"...

No dia 24 de Abril, uma mulher teve um dos dedos das mãos preso na porta de um trem da linha coral da CTPM. Por vários minutos ela sofreu ali, telefonaram para a CTPM e disseram que não poderiam fazer nada! Leia na íntegra o relato de uma testemunha:




GLOBO. Loja vai vender caneca, bolsa e chinelo com marca do Merô de SP. Editorial G1: 22/04/2014. Disponpivel em: <http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2014/04/loja-vai-vender-caneca-bolsa-e-chinelo-com-marca-do-metro-de-sp.html>. Acesso em 22/04/2014.

METRÔ SP. Metrô fecha parceria e lança a primeira loja para comercialização de produtos com sua marca. METRÔ SP: 22/04/2014. Disponivel em:<http://www.metro.sp.gov.br/noticias/22-04-2014-metro-fecha-parceria-e-lanca-a-primeira-loja-para-comercializacao-de-produtos-com-sua-m.fss>. Acesso em: 22/04/2014.

domingo, 27 de abril de 2014

MINISTRO DO GOVERNO PASSA VEXAME E É HUMILHADO POR MANIFESTANTES - HAHAHA SE FUDEU!

No último 24 de Abril, o ministro-chefe da secretaria-geral da presidência da república, Gilberto Carvalho, esteve presente na "Casa de Portugal", na Av. Liberdade, em São Paulo. O evento foi uma tentativa dos governos federal, estadual e municipal para "dialogar com a população".


Dilma tenta cooptar movimentos de rua

Divulgação: Presidência da república.
Segundo divulgação feita na página do Território Livre, dois assessores da presidência da república convidaram pessoas organizadoras dos atos contra a copa. Em nota, o TL afirmou que apenas foi para que o governo posteriormente não dissesse que "tentou fazer diálogo" com os organizadores dos protestos. 

Disseram que receberam um telefonema em menos de 24 horas antes do evento, tendo apenas poucas horas para responder se iam ou não.

Sem mencionar nomes, o TL afirma que foram cooptados por dois petistas, um sindicalista "de longa data, dos primórdios do PT" e "um rapaz mais novo". Ambos estariam ligados ao Gilberto Carvalho e disseram que o governo tem interesse no diálogo com os movimentos sociais, sobretudo, os movimentos pós-junho 2013.

A mesma nota informa que o Território Livre não vê futuro numa relação com os governistas, e ainda acusa os assessores de tentar enrolar os movimentos de rua e tentar cooptá-los para admissão ao PT.

Coisa semelhante ocorreu com os líderes dos rolezinhos, ao final de janeiro de 2014, situação esta em que o vereador Netinho de Paula (PCdoB) cooptou os líderes para entrar no União da Juventude Socialista.


Houve protesto dentro e fora da casa de evento

Uma faixa preta com as palavras "foda-se a copa". Cartazes com a frase "não vai ter copa". Do lado de fora uma faixa com a frase "Sem direitos não vai ter copa". O ministro Carvalho pode voltar a Brasília sentindo um pouco do gosto que existe nas ruas. Talvez o correto tivesse sido chamar o Choque para lhe dar umas balas de borracha e jogar gás lacrimogênio dentro da sala, assim não levaria apenas o gosto, mas a realidade.

Na reunião estavam vários militantes pagos pelo PT que aplaudiam os discursos e chegaram a gritar "vai ter copa", em total desprezo pelo sentimento dominante no país, as famílias despejadas, a corrupção, etc. O "Cidadão Anomico" estava transmitindo e você pode conferir a gravação completa neste link: (pt.twitcasting.tv/cidadaoanomico/show/1). Aproveitei e fiz um vídeo curto com os melhores momentos:




Algumas fotos que circularam nas mídias sociais:


Créditos: Contra a Copa (facebook)
Créditos: Contra a Copa (facebook)


Créditos: desconhecido.


Governos já estão derrotados

A própria "necessidade" do governo fazer uma reunião com movimentos de rua para dizer números e tentar justificar a ocorrência da copa já mostra que o governo admite desgaste político. Quais governos? Todos os que participaram da reunião: federal, estadual e municipal. 

Apesar deles não admitirem publicamente, basta qualquer um sentir nas ruas a "temperatura" e, diferente do que aconteceu em época de copa do mundo no passado, desta vez não há qualquer clima de festejo entre a população. A "copa das copas" vai ser uma festa em plena marcha fúnebre, com potenciais repercussões desastrosas na porvindoura campanha eleitoral, e é com ISTO que os governantes já estão se preocupando.



Leia na íntegra a nota divulgada pelo Território Livre: 

GOVERNO: NEM TENTE COOPTAR O MOVIMENTO. A LUTA É NA RUA!

Dois assessores da Presidência da República vinculados a Gilberto Carvalho — Secretário-Geral da Presidência da República — demonstraram interesse em conversar com organizadores dos atos contra a Copa do Mundo em São Paulo. Convidaram os coletivos que ajudam a organizar as atividades em SP para uma reunião. O convite foi feito no dia 23/04 na hora do almoço e a reunião seria no mesmo dia poucas horas depois.

Nem todos os coletivos foram, mas, assim como outros, o TL decidiu ir, depois de consulta interna ao grupo. Pensamos que não ir seria um erro tático, pois daria brecha para o governo acusar os movimentos de SP de não dialogarem, de serem intransigentes, etc. (o que poderia deixar parte da população contra o movimento). Definimos que a posição do TL lá seria somente a de ouvir os representantes, sem negociar ou barganhar nada. Foi a postura que assumimos. O TL não tem a menor crença ou esperança em tais espaços, nem em reformas por meio deste Estado.

Os dois assessores — um petista de longa data, desde os primórdios da fundação do PT, sindicalista, e um rapaz mais novo — enfatizaram na reunião que o governo está disposto ao diálogo; que quer fazer mais atividades como a desta quinta-feira, 24/04, na Casa de Portugal, para ouvir os movimentos, inclusive os movimentos do “pós-junho”. Enfatizaram que os próprios movimentos poderiam ditar local e formato dos debates, que o governo não colocaria nenhum “senão” ou empecilho, e que o próprio ministro Gilberto Carvalho poderia estar presente.

Da nossa parte, não vemos futuro nessas atividades. Pensamos que as intenções deles em chamar essas conversas só podem ser duas: 1. enrolar o movimento (e assim atrasar as nossas ações, tomar nosso tempo, parar os atos de rua); e 2. cooptar, mais cedo ou mais tarde, lideranças dos movimentos ou os próprios movimentos, quebrando a luta (o que não quer dizer, a priori, que isso vá acontecer, menos ainda significa uma acusação aos demais coletivos). 

O TL alerta que reuniões/debates com o governo, nesse formato, podem ser perigosas e comprometedoras para a perspectiva de criação do Poder Popular. O TL, como já foi divulgado, não concorda com o slogan “Se não tiver Direitos, não vai ter Copa”, embora ajude a tocar os atos. Nos focamos apenas no slogan “Não Vai Ter Copa” pois não acreditamos na eficácia de pedir direitos/reformas para o Estado do capital. Defendemos o Poder Popular, contraposto ao do Estado, como única forma de resolver de verdade os problemas da população. Temos certeza de que qualquer tipo de reforma — urbana, política, educacional, saúde — será absorvida pelo capitalismo em pouco tempo e, para piorar, a sua aprovação quebrará a luta por longo tempo. Qualquer “10% do PIB” a mais em qualquer área não dará conta dos problemas do povo trabalhador, que crescem numa velocidade muito maior que os orçamentos, graças à sede irracional do capital. O TL se foca no “Não Vai Ter Copa” porque quer o cancelamento da Copa no Brasil, e não reformas do Estado burguês. Cancelar a Copa no Brasil será uma das maiores demonstrações da força do povo trabalhador e da juventude, portanto, um grande passo para a construção do Poder Popular. Se nos perdermos no meio do caminho, alimentando ilusões na suposta função transformadora/progressista do Estado, dificultaremos a criação do Poder Popular.

Por tudo isso, pensamos, abrir espaço de palanque a figurões do governo é muito arriscado. Dentro do campo do reformismo, eles são e serão mais competentes e convincentes que a “esquerda” ou mesmo representantes do movimento. Os petistas são sofistas profissionais; têm todos os milhares de dados do governo; têm todas as localizações das verbas; sabem o que significa ter de negociar no Congresso com a bancada ruralista, com a bancada religiosa, etc. Na discussão com eles — dentro da lógica do reformismo — o movimento, em última instância, sempre perderá.

Não somos contra ouvir o governo e suas propostas — até para não sermos chamados de intransigentes diante da população. Mas não nos comprometemos com futuras reuniões se sua perspectiva for delinear propostas para pequenas reformas pelo Estado burguês. Se sentarmos para discutir pequenas reformas, em poucas décadas estaremos como esses vivos-mortos do PT, capachos do capital. 

O Território Livre reafirma: neste momento, queremos o cancelamento da Copa do Mundo no Brasil, e nada mais. Tomem nota, parasitas do governo!
Não vai ter Copa!
Ocupar, criar, Poder Popular!

sábado, 26 de abril de 2014

Ausência do "clima de copa" revela insatisfação da população com governo



Uma coisa que tenho observado é a total ausência de clima de véspera de Copa do Mundo. Em comparação com os eventos anteriores, mesmo nos meses que antecedem o evento já era perceptível uma grande euforia, mas desta vez não está acontecendo.

Sinto que será uma copa sem fogos de artifício, sem cornetas ou até verde e amarelo.

No vídeo abaixo, moradores da rua Santo Amaro fazem decoração para a copa. Em uma das imagens, o "mascote" Fuleco segura dinheiro nas mãos.




Ainda é muito cedo para fazer uma conjuntura do tipo, mas, uma coisa é certa: todo esse favorecimento político para a Fifa não será em vão. Acredito, inclusive, que o resultado da Copa já está negociado. O Brasil vai ser campeão. E a Dilma vai tentar usar isso para se reeleger.




sexta-feira, 25 de abril de 2014

OBRIGADO HOLANDESES!!!

Todo mundo sabe que o Brasil é uma merda. Não sejamos hipócritas, pagamos altos impostos, temos corrupção, impunidade, violência... Cada um tem consigo sua própria lista de merdices. Eu mesmo se fizer aqui uma lista vou passar os próximos 50 anos escrevendo só para terminar o primeiro parágrafo. Portanto, todo brasileiro reconhece que seu país é uma merda.

Print-screen da página do site da Coolcat: camisa é vendida por € 14,95.

Mas, quando uma empresa estrangeira decide materializar este sentimento, e no caso da grife holandesa Coolcat o fez na forma de uma camisa da seleção com a palavra “MERDA”, surge dentro de cada idiota um eufórico sentimento de falso patriotismo.

Não posso dizer que conheço particularmente cada uma das pessoas que invadiram a loja holandesa para protestar. Entretanto, posso dizer que conheço a sua estirpe: são o tipo de “patriotas” que “comemoram” seu orgulho nacional a cada quatro anos, e encontram em uma camisa da seleção nacional como expressão desse sentimento de patriotismo. É o tipo de gente que tatua a bandeira nacional perto do cu com a frase “made in brazil”.

Bando de otários, ao invés
de agradecer, resolvem protestar...
Nenhuma das pessoas dessa estirpe jamais esboçou qualquer tipo de interesse pelos problemas da comunidade, jamais prestaram qualquer tipo de solidariedade com o vizinho (pelo contrário, ao invés de buscar conhece-los, prefere odiá-los). Nenhuma das pessoas desta categoria jamais conheceu a plenitude da cultura nacional, os costumes e a história. Não conhecem e nem se importam com o destino dado às riquezas naturais. Sequer se mobilizam para condenar os criminosos que corroem o patrimônio público, pelo contrário, prefere sustenta-los por meio do imposto.

Fico imaginando o espanto dos diretores da Coolcat, achando que estavam fazendo um favor e ajudando humanitariamente uma nação amiga. Esta última, cuja população enfrenta atualmente o terrorismo estatal, no qual milhares de famílias estão sendo desabrigadas pelo governo, a população corre risco de morrer de sede em São Paulo, enfim, cenas de um país de MERDA. E, no meio de tudo isso, um bando de baderneiros e vândalos vestidos de verde e amarelo ficam desfilando na frente da loja, bagunçando, gente ignorante que não sabe receber crítica, vandalizando as ruas holandesas com seus chinelos trazidos do Brasil.


Portanto, e se você não sofre dessa cólera do falso patriotismo, típico em época de copa do mundo, parabéns a você. E, mais uma vez, obrigado holandeses!


FOLHA DE SÃO PAULO. Brasileiros criticam grife holandesa por camisa ofensiva. SALLES, Y.: 23/04/2014. Disponível em:< http://hashtag.blogfolha.uol.com.br/2014/04/23/brasileiros-criticam-grife-holandesa-por-camisa-ofensiva/>. Acesso em: 23/04/2014.

terça-feira, 22 de abril de 2014

Governo de SP aumenta gastos com balas de borracha, granadas e gás lacrimogênio

A pesquisa foi feita pela redação do Testemunha do Caos com dados obtidos do portal transparência. Gastos realizados pelo Governo de SP, entre 01/01/2014 a 16/04/2014 já totaliza quase R$ 6,5 milhões. Tal montante corresponde a um aumento de 11% com relação ao ano inteiro de 2013. Ou seja, em quase quatro meses, o volume de compras já é maior que o todo realizado no ano passado. 




Apesar do aumento, a população paulista parece já ter vivido em tempos piores. O portal transparência não mostra dados anteriores ao ano de 2010, quando o governo gastou pouco mais de R$ 24 milhões deste tipo de arsenal. Naquele ano, José Serra e Alberto Goldman eram os governadores.

Nos anos de 2011 e 2013, além de munições e explosivos, o governo também comprou armamentos. Apesar dos números, o website não detalha quais tipos e quantidades de armamentos, munições e explosivos foram adquiridos. O website também não explicita a motivação das compras. É estranho que em 2010 tenha sido adquirido um volume tão grande desse tipo de armamento, mesmo em comparação aos anos subsequentes. Não é possível averiguar quanto o estado comprou mês a mês, mas dá para notar que em 2013 o governo comprou 1258% a mais que no ano de 2012.



Gases vencidos

No ano passado, o editorial Folha de São Paulo publicou a foto de um estojo de gás lacrimogênio com data vencida. Portanto, nossa conclusão é de que boa parte do material que ainda é jogado contra a população manifestante são provenientes de estoques antigos e mantidos pela polícia.

Na ocasião em que foram questionados pela Folha de São Paulo, tanto a polícia quanto a empresa Condor negaram que o gás lacrimogênio vencido oferece perigo para as pessoas/vítimas, quando utilizado.

A partir de então, a PM passou a adotar postura mais cautelosa com relação a estes artefatos. A imagem abaixo é de um estojo de gás lacrimogênio disparado pela polícia contra as pessoas que protestavam no Instituto Royal. Nela, é possível ver que a polícia tentou apagar a data de validade (adulteração de provas?). Fosse plausível o argumento apresentado pela PM à Folha de São Paulo, então qual seria o motivo da PM de mandar alguém ficar apagando as datas de validade?

Estojo de gás lacrimogênio fotografado no Instituto Royal - 19.10.2013
   


Compras públicas não tem licitação

Apesar da Constituição Federal exigir que as compras realizadas pela administração pública passem pelo processo de licitação, as aquisições de gás lacrimogênio, balas de borracha e granadas podem ser feitas diretamente com a empresa, sem passar por este processo. Trata-se da Licitação Inexigível, ou seja, quando a empresa fornecedora não possui concorrente no mercado. A empresa Condor S/A Indústria Química, situada em Nova Iguaçú no Rio é a única fornecedora nacional desse tipo de armamento. 



Um nome estranho para uma empresa...

De onde vem esse nome, “Condor”? Há quem acredite que o nome seja uma espécie de homenagem tosca à Operação Condor, uma orquestração entre a CIA e vários países da América do Sul, cujo objetivo era listar e matar políticos opositores da ditadura militar.

Outros ainda acreditam que “Condor” seja um trocadilho para a junção das palavras “COM DOR”. A empresa removeu do ar o seu website ano passado, durante a eclosão das ondas de protesto em junho, quando a empresa passou a ser conhecida pelo público.



segunda-feira, 21 de abril de 2014

Mercenários treinam PM e PF para coibir ações "antiterroristas" durante a Copa.

Quem são os mercenários? São pessoas que receberam treinamento militar, mas, insatisfeitos com o salário que recebem nas forças armadas, estes pedem dispensa para trabalhar para empresas privadas. Tais empresas, com acordos bilionários com o governo americano, oferecem melhores condições de salário para aqueles que se aventuram em missões de risco. Para o governo, acaba saindo mais barato terceirizar uma guerra do que mandar suas próprias forças oficiais. Os mercenários transformaram-se numa "nova tendência" de guerra desde a última década e foram muito utilizados em operações no Iraque e Afeganistão.

Por se tratar de empresa privada, eles não respondem por crimes de guerra. O militar, quando mata alguém, tem que prestar satisfações aos seus superiores e isto pode afetar a carreira (nos EUA, evidentemente). Vários oficiais britânicos e americanos tiveram que responder, tanto em tribunais como no senado, por crimes de tortura, e isso manchou a imagem dos exércitos desses países. Como solução, foram criadas empresas privadas, como a Black Water e a XP, e os "colaboradores" podem matar quantos quiser e jamais irão a julgamento.

A novidade agora é que, segundo noticiou a Folha de São Paulo, uma empresa de mercenários está treinando Policiais Militares e agentes da Polícia Federal para conter ações antiterrorismo na Copa (ou seja, conter manifestações...). A empresa que se chama hoje "Academi", também era conhecida por "Black Water", anos atrás.

Ainda segundo o mesmo editorial, todo o curso foi pago pelo governo americano, num suposto acordo internacional de cooperação entre os dois países. Ao que parece, a polícia brasileira vê vantagens em fazer parte de programas como combater criminosos terroristas da Al-Qaeda e desmantelar explosivos improvisados (IDE em inglês). Entretanto, o Brasil jamais teve problemas dessa natureza e sinceramente duvido que a Al-Qaeda tenha interesse em atacar o Brasil, já que a organização foi desmantelada, encontra-se morta ou presa em Guantánamo e seu líder, Osama, já está morto e até teve seu cadáver jogado no mar. Portanto, e se não é para desativar IDE ou combater a Al-Qaeda, a questão que permanece: quem são os "terroristas" que a polícia está preocupada em combater durante a Copa?



FOLHA DE SÃO PAULO. Paramilitares americanos treinam policiais brasileiros para a Copa. MELLO, P. C.:21/04/2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/04/1443261-paramilitares-americanos-treinam-policiais-brasileiros-para-a-copa.shtml>. Acesso em: 21/04/2014.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Parque Ecológico de Campinas


Sim! Eu estava aqui em 9 de março de 1991 quando este parque foi inaugurado, minha mãe até pediu um autógrafo do Fleury que era o governador de SP na época (não sei porque o nome do Quércia apareceu, mas enfim). Agora voltei para constatar o estado de abandono, desinteresse e degradação deste lugar visitado apenas pelos carrapatos.













































































quinta-feira, 17 de abril de 2014

Detidos relatam histórias de tratamento degradante e tortura física no DEIC

A quinta versão da série de protestos Contra a Copa, que desta vez destacou o tema da degradação dos serviços de saúde pública, iniciou-se no MASP, saiu pela Av. Paulista no sentido Consolação e desceu pela Av. Rebouças até a ponte Eusébio Matoso, na marginal pinheiros. A forte chuva da noite, apesar de afugentar grande parte dos que haviam confirmado presença nas mídias sociais, não intimidou a presença de pelo menos 700 pessoas.

Após o encerramento do ato, as pessoas se dispersaram enquanto outras rumaram sentido metrô Butantã, da linha 4 - amarela. Foi neste momento em que se iniciou um confronto entre manifestantes e polícia.



Tratamento degradante

A imagem ao lado mostra uma seqüência de fotos tiradas de um rapaz detido na noite do dia 15/04, ocasião esta em que a Policia Militar encurralou dezenas de pessoas dentro da estação de metrô Butantã em São Paulo, incluindo pessoas que não tiveram nada a ver com o protesto daquela noite.

O rapaz que aparece nas fotos estava portando um spray na cor branca. Os autores da página “Contra a Copa” no Facebook relataram que o spray foi utilizado apenas para pintar palavras de ordem em uma das faixas utilizada no protesto daquela noite.

Segundo a equipe do grupo Território Livre, ao encontrarem o spray na mochila do manifestante durante uma revista, o mesmo foi utilizado pela polícia para pichar o rosto do manifestante, depois que ele foi levado para o DEIC, junto com outros detidos. Os Advogados Ativistas também confirmam a informação de que manifestantes foram pichados de branco e dentro do DEIC. Eles acusam a polícia de forjar acusações contra as pessoas.

Outros relatos circularam pelas redes sociais. Menores teriam sido xingados pelo delegado. Um rapaz com o nariz machucado, além de ter assistência médica negada, foi rechaçado pelo delegado:

Tinha um jovem com o nariz quebrado e sangrando, o delegado olhou e disse:
Quebrou?
Jovem: Não
Delegado: Eu perguntei se quebrou o cassetete, foda-se o seu nariz, quebrou?
Jovem: Não
Delegado: Sorte sua, se não seria dano ao patrimônio público seu filha da puta.


De acordo com o mesmo relato, os pais dos menores teriam recebido telefonema para comparecer na delegacia dentro das próximas duas horas ou seus filhos iriam à Fundação Casa. As pessoas detidas, além de terem o rosto pintado de branco, teriam sido submetidas a outros tipos de tratamento degradante, tais como: obrigados a ficar calados, de pé e encostando o nariz na parede, proibidos de tomar água e comer durante horas enquanto os policiais ficavam comendo na frente dos detidos e dizendo “como estava gostoso aquele alimento”. No total, 54 pessoas foram detidas por volta das 22 horas. Destas, 50 foram liberadas até às 7 horas do dia seguinte.

O site LFG conceitua Tratamento Degradanteda seguinte forma: "ocorre quando há humilhação de alguém perante si mesmo e perante os outros, ou leva a pessoa a agir contra sua vontade ou consciência". A constituição federal também condena esta prática, conforme em seu inciso III do Art. 5º, onde se lê: “ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante”.

Na opinião dos Advogados Ativistas, a polícia voltou a fazer “Caldeirão de Hamburgo”, só que desta vez dentro de uma estação de metrô. Eles também reclamam que advogados não puderam acompanhar a revista dos detidos, além das pessoas terem sido acusadas arbitrariamente de vários crimes.



Membro de mídia alternativa é detido e preso

fonte: MRR/ Movimento Revolucionário e Resistência

Junior Holanda, 23 anos, do Jornal Urbano Midia Independente, estava fotografando o ato e seguindo o movimento dos manifestantes. Foi detido dentro do metrô. Segundo informações de colegas do mesmo coletivo, a polícia teria batido nele e encontrado consigo uma marmita, garfo, colher e faca. Uma vez levado para a delegacia, a polícia o acusou de posse de “objeto cortante”. Foi transferido ao Centro de Detenção Provisória sob a acusação de associação criminosa, conforme artigo 288-A do Código Penal. Ele foi uma das quatro pessoas que não foram libertadas pela polícia na manhã seguinte.

Já no dia 16/04, seus amigos criaram uma “vaquinha” a fim de angariar dinheiro. A informação é a de que ele teria sido submetido a uma espécie de “comissão que julga os detidos nas manifestações no mesmo dia” e condenado a pagar o valor correspondente a um salário mínimo, ou seja, R$ 750,00, para sua soltura. Eis o link: http://www10.vakinha.com.br/VaquinhaE.aspx?e=263548

Os Advogados Ativistas afirmaram ter conseguido sua libertação ao final da tarde do dia 16/04. Segundo o editorial Estadão, consta contra os acusados apenas o testemunho dos PMs. Os detidos negam ter cometido crimes.



Manifestantes acusam o DEIC de ser a nova versão do DOPS

Manifestantes no DEIC
Dentro do DEIC, e mesmo antes de serem levados para lá, várias pessoas, incluindo crianças, acusaram a polícia de fazer ameaça de morte, agressão física, tortura física e psicológica.

Segundo testemunhas, a polícia acusava a todos de serem do black bloc, e as chamavam de “black bostas”, sem, no entanto, que as pessoas estivessem vestidas de preto, forma esta característica dos adeptos da tática. 

Os detidos acusam os policiais de terem promovido destruição de provas. Um dos detidos teria filmado com o celular o momento de sua prisão e somente teve o celular devolvido depois que foi forçado a informar a senha. Uma vez em posse do aparelho, constatou que o vídeo que o inocentaria das acusações levantadas contra ele, haviam sido apagadas.

Abaixo, mais um relato de uma testemunha ocular:

“A PMESP que entrou na estação de Metrô do Butantã esculachando e encurralando a todos. Inclusive pessoas que nada tiveram com o ato da noite de ontem. Foram todos obrigados a sentar. Uma menor de 16 anos teve sua cabeça batida no chão duas vezes. Logo após descobriram que ela estava grávida de 2 meses. A mídia era constantemente ameaçada para ‘deixar o metrô’. ‘Sobe, sobe, sobe’. Avisávamos que também estávamos ali a trabalho. As portas da estação foram fechadas pela segurança. Um dos policiais retirou um estilingue do lixo. Todos os que estavam encurralados começaram a notificar a mídia e os advogados ativistas que lá estavam presentes. A tentativa era evitar que fosse forjada alguma situação.”




Depoimento de uma testemunha

A Testemunha do Caos Midia Alternativa não esteve presente neste ato. Abaixo o depoimento de uma pessoa que esteve presente. Leia na íntegra:

“Qndo acabou o ato pensei em ja ir pro metro, pq ctza q ia ter catracaço... Mais fiquei no final seguindo o fluxo pro metro, acabo o ato policia ficou pra trás, e a galera seguia pro metro, nisso lançaram uma garrafa de vidro em uma viatura, ai os pm dxaram... Dps começaram a estourar os bancos... Ai os 2 pelotões q tinham começaram a correr em direção aos manifestantes... Fiquei de boa esperei passar, ai fui atras... Trancaram os metros e cercaram qm tva tentando entrar... Sem contar q no trajeto lançaram uma bomba tpw fogos de artifício na pm... Dps lançaram outra q só ouvi o barulho... Policia foi d boa, saiu da paulista meu, tinha uns 30 pms só... Apenas um lado da manifestação com pm... Todos sem escudos... Só qndo chegaram na faria lima, ai os com escudos foram pra frente da manifestação e começaram a andar bem na frente do ato.... Mais sei la, no metro dve ter rolado uma confusão na hora das prisões...”







ESTADÃO. Lei contra milícias é aplicada em São Paulo a black blocs.RIBEIRO, B.: 16/04/2014. Disponível em: <http://m.estadao.com.br/noticias/cidades,lei-contra-milicias-e-aplicada-em-sao-paulo-a-black-blocs,1154941,0.htm>. Acesso em: 16/04/2014.

LFG.Você sabe a diferença entre "tratamento desumano" e "tratamento degradante"? Autor desconhecido: 16/05/2008. Disponível em: <http://ww3.lfg.com.br/public_html/article.php?story=20080516142509297&mode=print>. Acesso em: 17/04/2014.

ADVOGADOS ATIVISTAS. Relato de violações de direitos humanos – 15 de abril de 2014. AA: 17/04/2014. Disponível em: <http://advogadosativistas.com/relato-de-violacoes-aos-direitos-humanos-15-de-abril-de-2014-2/>. Acesso em: 17/04/2014.