sexta-feira, 27 de junho de 2014

Ato em defesa de Hideki e Lusvarghi ficou "atolado" no MASP

“Fora Fernando Grella”
“Ditadura Não!”
“Libertem os presos políticos: Rafael e Fabio”
“Chega de prisões”
“Lutar não é crime”
“Liberdade para Fabio Hidek trabalhador e estudante”


Estas são algumas das faixas exibidas no “ato atolado” de ontem: a PM proibiu a manifestação sair do MASP. Um coronel da PM, responsável pelas tropas disse que se não aparecesse um responsável pela manifestação, ela não sairia do lugar. Manifestantes contra argumentaram dizendo que ali havia vários grupos, que uma pessoa não é responsável pelo que as outras podem fazer, etc. “Eu não quero saber!” disse o coronel. “Se não aparecer um responsável, a manifestação não sairá do lugar”.

O ato reuniu bem mais gente que o ato contra a copa do dia 23/06. Entre 400 e 600 pessoas estavam no vão livre do MASP. As pessoas chegaram a ocupar uma das vias da avenida Paulista, a que vai sentido Consolação, mas rapidamente foi cercada pela tropa de choque. Ante a impossibilidade da manifestação sair do lugar, muita gente desistiu e foi embora mais cedo. Foi neste momento em que boa parte da grande mídia apareceu, pra filmar o ato quando já estava com 100 pessoas.

Houve uma negociação entre um tenente e o padre Lancelotti para as pessoas permanecerem ocupando a via até às 20h. Um tenente chegou a dizer que a polícia ficaria ali indefinidamente, até todos os manifestantes decidirem sair. Um deles começou a falar com os outros pra fazer uma “ocupação” ali e não deixar ser vencido pelo cansaço. Mas outros contra argumentaram e responderam que o choque prenderia arbitrariamente a todos na calada da noite se ficassem.

Havia uma mistura de coletivos. Tinha gente do MPL e adeptos da tática black bloc, mas estes não eram muitos, só um de cada, pelo que pude contar. A maioria era estudantes e funcionários da USP, além do coletivo Território Livre.

Toda a avenida Paulista estava cercada pela tropa de choque da PM. Nas vias adjacentes, tinha reforço da força tática. A cavalaria aguardava à distância. Um canhão d’água estava em um dos lados.

Pessoas andavam inquietas ante as movimentações dos policiais. O clima foi tenso em um momento em que houve uma aglomeração de pessoas no canteiro central da avenida. Alguns disseram que uma pessoa tinha sido presa ali, mas eu não vi nada. O vídeo abaixo mostra este momento.





PT enviou agente provocador?


Em dado momento houve bate-boca entre manifestantes e um petista que estava esculachando a manifestação. Segundo ele, atualmente não existe ditadura nenhuma. Ele também elogiou a ditadora e ex-assaltante de bancos e terrorista Dilma Rousseff. Elogiou a presença da PM e disse que “pobres são tudo um bando de animais”. O editorial Testemunha do Caos entende que esta foi a aparição clássica de um agent provocateur: uma pessoa que não faz parte da força oficial de repressão do estado, mas está viculado a partido político e vai à manifestação causar turbulência no interesse deste partido.

O vídeo abaixo retrata este momento e, embora tenha ficado um pouco longo (+9 minutos), ele acusou os manifestantes de ter lhe chutado a bunda e dado tapas na cabeça. No entanto, o vídeo mostra que isto não aconteceu, provas de que, além de petista, é um mentiroso.




O cara só tem coragem de abrir a boca com a PM do lado. Mas quando chega em casa provavelmente mete a boca na polícia. Mas, afinal, o que ele estava fazendo lá? Protestando contra a copa? Contra o governo? O sujeito ainda disse que "se eles [Hideki e Lusvarghi] estão presos é porque fizeram alguma coisa".


A aparição deste petista relembra a questão dos Agentes Provocadores, pessoas enviadas por partidos políticos com objetivo de causar escândalo nos movimentos. É óbvio que ele foi lá para apanhar, era o que ele queria, provocar as pessoas para sair na grande mídia que apanhou na manifestação.



Japonês é o preferido

Ambos os presos no dia 23/06 não estão sendo defendidos com a mesma equidade. Isto foi notado pelos comentários dos que estavam presentes no ato e também em um dos panfletos distribuídos. Algumas pessoas acham que Lusvarghi é um P2 por ele ter feito parte da PM de SP, outros acreditam ainda que ele é um militarista e supremacista racial por causa de uma tatuagem e da saia estilo nórdico. Há quem argumente apenas que ele só quis aparecer e que é um maluco.

Veja algumas imagens do ato (clique para ampliar ou salve no seu computador para ver melhor):



 

 

 

 

 

 

 

 

 


O vídeo abaixo mostra que inicialmente a manifestação reuniu umas 400, 500 pessoas. Mas, ante a impossibilidade dada pela PM da manifestação sair do lugar, muita gente vazou. No final nao ficou nem 50, que foi empurrada de volta pra calçada pelo choque.